Os lúcidos seguidores

19 de ago de 2013

Não banalize a solidão




            A solidão é a procura de si mesmo, perdida dentro do seu próprio ser. Solidão não é saudade, não é carência, não é a banalidade a qual as pessoas fingem. A solidão é alma. É poesia. É uma companhia inseparável do meu ser. É a noite eterna que faz o que sou. Apenas. Não banalize a solidão, se é carente ou sozinho, não a culpe. Se culpe.

17 de ago de 2013

As velhas sustentações


                       O poder de julgar ou mesmo de “entender” o próximo, quão difícil é. A vida é uma mutação constante. A partir de atos, momentos e situações, moldamos nossa ideia efêmera ou não, sobre alguém, e assim com o tempo e a convivência aperfeiçoamos-a. Depois de observar algumas pessoas e lembrar de outras ao qual já vivi, vi e lembrei de muitas pessoas julgando outras baseadas em velhas sustentações, olhando com olhos caducos. Penso eu, que assim como todo o ser humano que se modifica com o tempo, temos que modificar nossas películas que circundam nossos olhos, e olhar todo dia, como um novo olhar, afinal cada dia pode ser uma pessoa diferente, em um mesmo corpo.
                       Tem que se ponderar, em um tempo em que a verdade é absoluta e que questionar a si mesmo, já não é uma qualidade tão vista, pelo menos por mim. Qualquer extremo seja ele qual for, levará a cegueira.