Os lúcidos seguidores

30 de jun de 2011

Em meio as pessoas



A solidão do meu dia-a-dia, me cega como a luz do sol, me maltrata como o espinho da flor, solidão ingrata como as pessoas, que mesmo quando me inspira as poesias, me mata, a solidão do meu dia-a-dia me fez estar conformado, de que junto de todo mundo, continuo poeta solitário.

Um comentário:

andrezza disse...

Isso me fez pensar no quanto tem pessoas ao meu redor, e com todas me sinto só.