Os lúcidos seguidores

25 de out de 2011

Caras, Bocas e Verdades



Pessoas e mais pessoas
Braços e pernas até troncos
Tantas palavras jogadas na minha cara
Já dizia meu mentor
Palavras são falsas, palavras enganam

Sei que sou mas um ninguém
Vendo passos desorientados
De formigas-pessoas nesse mundo vasto
Me pergunto, Deus porque tanta gente?
Para tão pouco espaço

Sei que meu bandulho, fome passa
Melhor do que muito bagulho
Fome, lágrimas, tudo isso passa, até fome
Tristeza amortiza com a ilusão
Falsa alegria de um mundo são

Meus olhos veteranos
Minha mente ingênua
Sei que desse mundo, sou uma pena
Deus porque tanta gente?
Para tão poucas Palavras.

Nenhum comentário: