Os lúcidos seguidores

23 de nov de 2011

Amor mortal


Amar, morrer aos poucos
Num mar sem se afogar
Morrer afogado
No mar que não se afoga
Morrer sem sentido
Aos poucos o corpo consumido
Como o incenso que queima 
Meu corpo queimou

Nenhum comentário: