Os lúcidos seguidores

30 de mar de 2012

O repelente



Ele se achava certo e trabalhador, se orgulhava pelos outros e exaltava as qualidades dos amigos, as mesmas qualidades que ele não tinha, talvez até tivesse boa intenção, talvez. Sua vida era medíocre, seu amor era falso, o seu corpo era gordo. Perdido dentro das próprias acomodações, preferiu viver uma utopia, do que encarar a realidade que o cercava, mas ele a ignora, a realidade é um veneno para ele, é um veneno. Agora tenta a todo custo esticar essa existência, tenta com unhas e dentes manter a velha e boa aparência de uma vida, mais ou menos perfeita. Todos ao seu redor já angustiados com tamanho mediocridade, começam a se afastar dando passos para trás, para que ele não perceba, que no fim será apenas ele, nesse mundo que o mesmo criou. Um mundo sem realidade, um mundo da mediocridade, um mundo em que seus defeitos fossem características de uma perfeição, um mundo dos ignorantes.

Nenhum comentário: