Os lúcidos seguidores

10 de mai de 2012

Um código esquecido



            Meu ser é viciado, pelas velhas palavras de sempre. Palavras essas que viraram cartas. Palavras repetidas. Meu corpo é um código esquecido, minha alma é o um segredo, e minha razão é uma fenda. Minhas diversas expressões, são apenas desabafos de um ser inflado, de questionamentos e incertezas. Meu sangue é uma tinta, procurando um papel qualquer, para desenhar segredos sobre mim. Meu ser é um prisão de momentos. Meu ser se acumula com o tempo que corre, e se transforma com a vida que passa.

Nenhum comentário: