Os lúcidos seguidores

17 de jan de 2013

O gozo escasso



Você não vale um cigarro perdido
Não vale o conto esquecido
Ou mesmo as moedas perdidas e sem valor
Que corpo se renove e minha alma reviva
Das cinzas que sobraram do passado
Não quero gastar palavras
Não irei usar do meu gozo escasso
Para saciar aquilo que não tem valor
A dor da realidade é o prazer de não ter sofrido
Por um amor barato e incapaz
Você não vale um cigarro perdido


Nenhum comentário: