Os lúcidos seguidores

17 de dez de 2013

O velho e habitual


            O velho e habitual clichê da noite inspiradora, esse é o meu velho dilema.
            Não sei se estou ficando velho ou se minha cabeça é que não evolui, mas certas noites para mim são como dia, sempre tendo algo querendo queimar meus olhos. Por isso durmo cedo para acordar cedo, ironicamente com a luz rasgando os meus olhos. Porquê aquilo que me inspira, me repele? Afastar do negro é afastar de mim, a minha essência solitária, a alma de um poeta vadio.

            Depois de um tempo perdido na minha própria infâmia, vi o quanto fui ingênuo, pois sempre foi assim, a noite é minha repulsa, é algo que me completa, mas que não é natural de mim, e sim algo colocado por mim, pois só assim, me sinto poeta. Escrevendo nas noites vagas e silenciosas, palavras que transbordam do meu ser.

Nenhum comentário: