Os lúcidos seguidores

20 de out de 2012

O veneno



            Ela tinha um corpo formado por marcas. Em um sábado a noite, sentada no sofá. Olho no olho. Ele sentado no do outro lado da sala, bebendo o seu whisky. Bebia e ria por dentro. Ela paralisada, apenas assistia o tédio. A raiva sorrateira a comia pelos dedos dos pés. Que pés lindos. O whisky balança no copo esperando o seu fim, no último gole a ser dado. Mulherzinha que nada podia fazer ou não queria. Dado o gole final ela já se levantou, andou nos seus passos marcados, pegou o copo e foi para a cozinha. Ele sempre brincou com ela, ela sempre aceitou todas as brincadeiras de mal gosto. Olhando o copo de cristal encheu até o talo de whisky e virou tudo. Nada como um pouco de álcool para dar coragem. Riu silenciosamente.
            Voltou da cozinha, entregou o copo e sentou-se no sofá. Sorriu um sorriso discreto. Ele logo em seguida se levantou e dirigiu-se a ela. No rosto dela se via nitidamente o auto revelo. Ele se sentou e voltou a olhar para o rosto dela, olhou para o copo, deu um gole, fez uma cara estranha e perguntou:
            – O que você colocou aqui?
            Ela se levantou e andou, agora sem pressa. Pois o pé em seu peito e puxou a gravata. Ele ficou espantado, mas não fez nada, queria ouvir o que ela tinha a dizer. O tempo parou e as palavras saiam em ritmo único.
            - Coloquei o meu veneno.
            E o empurrou. Caiu da pequena cadeira que o sustentava. Ainda antes de partir pode ver por uns poucos segundos. Viu uma mulher sorrindo e deixando escorrer entre os seus lábios o gozo do seu momento. O veneno.

Nenhum comentário: