Os lúcidos seguidores

20 de out de 2012

Uma mulher, uma criança



        Ela se dizia mulher, amava o seu marido e fazia todas suas obrigações de esposa. Ao sentar na mesa, sempre fazia aquele sorriso de margarina. Ao comer sempre elogiava o prato do dia. Quando o marido saia, sempre dava um beijinho de despedida.
            Sua vida era quase um sonho. Quase. Quando ficava sozinha em casa, andava pelo corredor com sua fisionomia séria, sentava no sofá e assistia a TV desligada, lavava o seu rosto algumas vezes, alguns até diriam que ali se escondia lágrimas. Quando ela ficava sozinha não tinha nem uma tarefa a cumprir e nenhuma imagem a passar. Quando ela ficava sozinha, abria a sua caixinha de criança e tirava de dentro a sua boneca. Com um laço na cabeça e a boneca na mão, sentava em sua antiga cadeira de balanço que mal a cabia, e ficava ali a se balançar. A casa produzia o um silêncio perturbador e a cadeira chiava. Pelo chão escorria, da pequena cadeira de balanço, sentimentos que muitos desconheciam. Com a porta aberta que dava para o corredor podia se ver, uma mulher e o seu velho laço, que a prendia a um passado. Uma mulher que se fazia ser uma mulher. Uma criança perdida em uma vida de adultos.

Nenhum comentário: