Os lúcidos seguidores

8 de jan de 2013

O cômodo


          
            Caída ao chão, ela chorava. Tinha em suas mãos, o que o seu corpo expeliu. Estava suja e mal arrumada. Estava triste. A janela estava aberta, de onde podia ser um pouco da rua e muito do céu. O quarto silencioso e escuro, a via e era a única testemunha do momento. Escorria pelos seus dedos, na mesma proporção que escorriam suas lágrimas, escorria a sua última esperança. A vista turva a atrapalhava, mal tinha forças para limpar o seu rosto. E assim a pobre garota perdeu tudo que lhe restava, a esperança de um dia ainda acreditar na ilusão de sua vida. A triste realidade de saber que o céu não é negro e que a vida não é finita, a matava aos poucos. A janela ficou aberta por muito tempo, tempo o suficiente para o tempo não deixar mais a fecharem.
            A tristeza do momento ficou impregnada nas paredes, o cômodo esquecido, se tornou o túmulo de uma sonhadora. Por isso hoje ela se deve ao respeito.

Nenhum comentário: