Os lúcidos seguidores

24 de fev de 2012

O anoitecer


Ao olhar a janela e ver a escuridão que se completa
Sentir no peito o desejo pelo infinito
O vento bate no corpo, esfriando o ser
Meus olhos veem distante o meu coração
Fugindo para o longe, o viver
Saindo desse corpo finito
E se completando no anoitecer

Um comentário:

Sahara Higino disse...

O corpo entrelaça-se
ao Desabrochamento
da noite; cria raiz.

Sigo-te.